Majestoso espelho

Foto: Divulgação/Rubens Chiri

“Espelho, espelho meu, quem é mais belo que eu?” E o espelho respondeu: “Aqui, não há beleza, meu!”. Assim, o Corvo de Poe, que sobrevoava Itaquera, de cenho franzido, saiu por aí repetindo: “Aqui, não há beleza. Aqui, não há beleza”.

Faltou beleza, mas sobrou disposição tanto do Corinthians quanto do São Paulo neste Majestoso do domingo que, de fato, só valia pela velha tradição dos dois clubes famosos.

Lembrei-me da passagem do espelho do conto infantil porque o técnico Mancini, seduzido pelo figurino da moda, que sempre dá seus pulinhos ao passado, resolveu espelhar seu time ao de Crespo, inaugurando no Timão a fase dos três zagueiros.

Três zagueiros, mais dois volantes de contenção (Gabriel e Ramiro), lá vem retranca, o velhote aqui deduziu antes de a bola rolar.

Deduziu e dançou porque,no jogo jogado, o Timão acabou sendo até mais organizado e produtivo do que o Tricolor. Inclusive depois das alterações feitas por Crespo, todas certas mas infrutíferas, com as entradas de Benitez, Luciano, Liziero e cia.

E olhe que o São Paulo saiu na frente, com  aquela cabeçada mortífera de Miranda. Porém, antes que acabasse o primeiro tempo, Luan desferiu uma bomba no ângulo de Volpi, empatando o jogo.

No segundo tempo, o cenário não se alterou, com o Timão dominando a bola e os espaços de forma modesta mas contumaz.

E recebeu o prêmio por isso, aos 40 minutos, quando Mosquito foi mais esperto do que Arboleda e Volpi juntos, tocando pras redes cruzamento da direita, aos 40 minutos.

Pronto, tudo resolvido, bandeira do tabu içada em Itaquera e tal e cousa e maripousa…

Êpa! Num último suspiro, bola na área corintiana e o menino João Vítor derruba Pablo. Pênalti, que Luciano cobra fora do alcance de Cássio: 2 a 2.

Assim, a bandeira segue içada, enquanto os dois times celebram a passagem para a próxima fase do Paulistinha, à espera de que o Palmeiras venha a formar o Trio de Ferro nesse grupo de candidatos ao título.

E o Verdão, com reservas dos reservas, dera um passo nessa direção pouco antes, ao bater o Santo André no Canindé por 1 a 0, gol de Scarpa ainda no primeiro tempo, apoiado pelo Guarani que venceu o Novo Horizontino, o principal rival do Palmeiras pela segunda vaga do grupo.

Desconfio que seja mera impressão, mas parece que estou ouvindo  a paródia do Corvo de Poe seguir voando e repetindo: “Aqui não há beleza, aqui não há beleza…”

 

 

 

 

2 comentários

  1. Helena bom dia, o mais importante é que o trio de zagueiros de ontem seja definitivo daqui pra frente, Arboleda, Miranda e Léo, Bruno Alves nunca mais

  2. Amigo Antonio, pensando bem a gente tinha que ficar com aquela zaga, a situacao estava preta. Agora comecamos uma nova fase com varias coisas positivas e algumas negativas continuam mas eu nao vou colocar
    aqui porque sao delicadas e eu nao quero prejudicar meu time. Com tempo creio que se solucionarao.
    As positivas sao: Muricy, Crespo, e algumas contratacoes dentro do que o orcamento permitiu.
    De bandeja o Daniel voltou a jogar na sua posicao o o time mudou com isso. Tambem esta nascendo uma estrela
    que e’ o Luan. Veja que contra o Rentistas jogamos um partidaco e so nao fizemos mais gols porque nao temos
    ataque. Nao temos nenhum craque no ataque, tipo Gabigol ou Arrascaeta que sao capazes de virar um jogo.
    Tambem veio de bandeja o Rojas. Entao sao 3 que apareceram do nada. mais as contratacoes .Finalmente
    temos o Miranda, ano precisa dizer mais nada. E’ craque. Um abraco e boa sorte amanha. Na quinta continuamos a comentar..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *