E lá vai o Verdão!

Foto: NORBERTO DUARTE/AFP

É por isso que os times do Felipão se dão bem, em geral, quando se trata de mata-mata. Esse sistema de disputa, sobretudo por estas bandas sul-americanas, sugere mais o antijogo do que o jogo da bola. Isto é: favorece o time que marca mais e se expõe menos, ainda que isso deslustre o espetáculo.

Foi o que se viu em Assunção, onde o Verdão praticamente garantiu sua passagem para as quartas de final da Libertadores, ao meter 2 a 0 no Cerro Porteño, que, por sua vez, reza na cartilha do futebol paraguaio, atavicamente defensivo e de pouca imaginação.

Elas por elas, prevaleceu a técnica mais apurada dos brasileiros com aquela dose letal colombiana oferecida em dobro por Borja, autor dos dois gols verdes.

No primeiro, bola alçada na área cujo toque de cabeça do beque paraguaio colocou em posição legal Borja no segundo pau: 1 a 0.

No segundo, depois de rebote do goleiro, o Cerro tentou sair jogando, mas Moisés recuperou a bola e serviu-a de bandeja para Borja executar de direita.

Ótimo para a esperança verde de seguir lutando por um título de expressão ainda nesta temporada. Péssimo pra quem esperava ver esse Palmeiras tão bem nutrido de talentos buscar algo mais do que apenas resultados.

3 comentários

  1. “Bom dia Helena, gostaria de salientar que o time da Arca de Noé também venceu a libertadores jogando por uma bola……………..e aliás na maioria das vezes jogar bonito não é sinônimo de garantia de títulos!!!!!!!!!!!!!, concorda comigo meu camarada”
    Grande Abraço;
    Ronão Residencial Vilarejo Parque Otero – SP/SP

  2. Alberto Helena Jr.

    Eu disse em comentário anterior que ontem era o dia de ver mão do treinador Felipão no time do Verdão os dois jogos anteriores foram de observação do elenco e o time considerado por ele ideal já começa a se desenhar, um time aguerrido e que não desiste nunca, veja no lance do segundo gol o beque paraguaio divide a bola com Moisés e aí espirra obrigando Moisés a voltar na jogada e ele não desistindo volta pega a bola e a enfia redondinha para o Borja que fuzila sem dó nem piedade o goleirão paraguaio, vitória justa, sem muito sofrimento, na medida certa para garantir uma certa tranquilidade para o jogo de volta, vamos que vamos. Saudações palmeirenses.

  3. Pegaram o mais fraco dentre os times classificados, e ainda assim durante alguns momentos levaram uma pressão.
    O Roger fez melhor contra adversários bem melhores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *