O fator Verstappen na F1 em 2020

Max Verstappen é o grande obstáculo das Mercedes – Foto: Red Bull Content Pool

Estratégia de pneus deve tornar temporada 2020 mais emocionante e próxima etapa será em Barcelona, onde Max Verstappen venceu pela primeira vez na categoria, aos 18 anos

Quem apostaria na vitória de Max Verstappen no GP comemorativo dos 70 anos da F1, realizado no último domingo em Silverstone? Bem, talvez o próprio piloto holandês, que mostrou personalidade ao dizer que não se comportaria como uma “vovó” economizando pneus para acelerar rumo ao primeiro lugar no circuito inglês.

Há quem diga que a Mercedes foi muito conservadora. Afinal, a Red Bull passou para o Q3 usando pneus duros da Pirelli, podendo assim iniciar a prova com uma estratégia mais ousada. Teve até os criadores de teoria da conspiração que acham que a equipe alemã está “pegando leve” para não estragar a graça do campeonato.

Eu duvidaria desta ultima opção, até porque em um ano tão diferente como 2020, de pandemia e com um campeonato de tiro mais curto, começando em julho e sem saber se teremos etapa fora da Europa, não dá para deixar Red Bull e Verstappen “acordarem no campeonato”.

Como todos os pneus são iguais, fornecidos pela Pirelli, vai ser interessante ver como cada equipe vai jogar – o holandês já mostrou que quer ser o “outsider”, ou seja, vai sempre para cima da estratégia mais arriscada. Em Silverstone, sob forte calor, deu certo e a Mercedes pareceu sofrer mais com o verão europeu. Mas um detalhe interessante é que normalmente as etapas da Europa se encerravam em setembro, por conta do clima. De outubro em diante, as temperaturas devem ser mais frias e isso certamente vai impactar na estratégia.

Já cobri provas em maio em Nurburgring (o primeiro pódio de Felipe Massa na F1, em 2006) e peguei dias com 10 graus Celsius de temperatura ambiente. Uma prova lá no outono europeu deve ter temperaturas baixas – isso pra não falar em alta possibilidade de chuva. E nisso Mercedes e Red Bull estão “bem servidas”: Hamilton, como seu mestre Ayrton Senna, é excelente na pista molhada – mas Verstappen é igualmente talentoso nestas condições.

Um bom termômetro será a prova deste domingo em Barcelona. Tradicionalmente uma prova sem muitas emoções porque é onde todas as equipes testam exaustivamente, ela pode revelar se teremos chances de um campeonato com mais provas divertidas em 2020. Vou lembrar de mais uma corrida em que estive cobrindo na F1 (é o jeito né, já que não está dando para viajar nas provas deste ano). O Circuito da Catalunha foi palco da primeira vitória de Max Verstappen, se tornando o mais jovem vencedor da F1. Naquele dia, em 2016, as duas Mercedes bateram na primeira volta. Mas em Silverstone Max ganhou com as duas na pistas…

E por falar em estratégia de pneus, foi muito bacana ver a ação da Pirelli neste GP de comemoração dos 70 anos da F1. Afinal, neste mesmo circuito inglês, onde em 1950 tinha início o Campeonato Mundial da Fórmula 1, Giuseppe Farina venceu a primeira corrida da história da categoria que seria conhecida como a mais importante do mundo. E um detalhe: o pneu de seu Alfa Romeo era um Pirelli Stella Bianca (estrela branca em italiano, que inclusive tinha um pequeno desenho na parede lateral para distingui-lo, uma vez que os pneus de rua levavam o mesmo nome).

E a escuderia italiana foi uma das que dominou as primeiras temporadas da Fórmula 1 por conta da vantagem de performance dos pneus Pirelli. Quem diria que, 70 anos depois, os italianos também tornariam o show ainda mais emocionante para os fãs da temporada 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *