Verdão e Mengão, show

Foto: Sebastiao Moreira / POOL / AFP

Nesta quarta-feira, entraram no campo da Libertadores os dois mais recentes campeões da competição: Palmeiras e Flamengo. Ambos, os mais cotados para a conquista do título desta temporada, diga-se, e enfrentando em casa dois adversários mais ou menos da mesma dimensão – Universidad Católica e Defensa y Justicia.

O Verdão, mais solto e ofensivo do que vinha sendo quando atuava com três zagueiros, dois volantes e tal e cousa e lousa e maripousa, impôs-se por força da maior qualidade técnica de seus jogadores.

Com Felipe Melo de zagueiro, posição em que o veterano jogador poderá encerrar com dignidade a carreira aos 45 anos de idade, pois se já é lento como volante, na função de beque é veloz e dono de um passe longo invejável.

Danilo se firma como volante versátil, no apoio aos meias Veiga, Scarpa e Zé Rafael, que bem acionam Deyverson e Wesley mais à frente.

E assim o Palmeiras amassou o Universidad Católica nos primeiros minutos de jogo, marcando por pressão no campo adversário, quando meteu uma bola na trave disparada por Deyverson, e marcou seu gol solitário logo em seguida, com Marcos Rocha colhendo rebote no poste em tiro de Veiga.

A bem da verdade, trave e o goleiro Perez, no fim das contas, evitaram uma goleada do Verdão, que parte de cabeça erguida pra próxima fase do torneio.

Foto: Ricardo MORAES / various sources / AFP

No entanto, nem trave, nem goleiro impediram de o Flamengo, em Brasília, golear o Defensa y Justicia, em Brasília.

Tudo começou com cabeçada fatal de Rodrigo Caio, em cobrança de corner, logo  de cara. E balançou, no finzinho do primeiro tempo, quando Loayza empatou, numa lambança do goleiro Diego Alves.

Mas, no segundo período, o Mengão foi implacável, depois da entrada de Michael no lugar de Everton Ribeiro.

Pois, aos 21 minutos, Michael arrancou pela esquerda atirou na trave para Arrascaeta, de cabeça, desempatar.

Aos 35, Vitinho, que substituíra Bruno Henrique, ampliou para 3 a 1 e aos 49 emplacou a goleada final.

O passo seguinte, porém, reserva ao Palmeiras um dilema maior: o São Paulo, que deu sinais de recuperação na partida da véspera diante do Racing, em é sempre um clássico regional, que por tradição pendura a expectativa no ar.

 

 

 

 

4 comentários

  1. O único que deu Show foi o Mengão o parmeirinha não passa de um time que joga por uma bola e é se fecha pra conteatacar.
    Mas esse timeco não vai muito longe.
    Parabéns ao Renato gaúcho que conseguiu recuperar jogadores que a torcida pegava no pé e têm time pra ganhar de qualquer um timecos que venham jogar.

    1. O que esse b…. fica enchendo o saco aqui ? Esse é um site 100 % paulista, quando se fala de outro time que não seja de SP é puro detalhe. Não tem site específico para cariocas não ?

    2. Oliveira, na 4a feira dei um chega pra lá em você, depois de cutucar sobre o Tricolor paulista, disse-lhe que o Flamengo é freguês de caderneta do Tricolor, e que ano passado ganhamos as três partidas disputados, inclusive com uma goleada de 4×1 em pleno Maracanã, quis botar a manguinha de fora e levou uma bordoada, quem posta o que quer, leva o troco que não quer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *