A dança da solidão

Foto: Divulgação/Pelé

Hoje acordei pensando em como anda estranho o futebol nosso de cada dia.

É tanto torneio que tonteia o torcedor a se perguntar: como pode o segundo melhor time do campeonato brasileiro estar numa situação tão delicada como o Corinthians está!Quartas de final Copa do Brasil 2×0 Atletico-GO! Quartas de final Libertadores 2×0 Flamengo em casa?  Mas não é nisso que estou focada!

Pode ser que estejamos devendo aplausos para os dois únicos times invictos na Liberta, dois brasileiros, Palmeiras x Flamengo!
Ainda não é, sinto que não!
Acho que as polêmicas arbitragens podem estar sem o tratamento que merecem: denúncias dos clubes prejudicados, exigências de apuração dos fatos, e medidas que anulem atos absurdos dos árbitros de campo e do VAR…
Também não é meu assunto predileto de hoje, e eu me rendo!
Sabe aquele cara com cara de anjo, sem ser?
Aquela expressão de surpresa sem estar?
A rara e talvez maior inteligência da TV brasileira?
E que por muitos anos punha a gente pra dormir depois do beijo do gordo!
Então, fazia tempo que estava longe das câmeras, o que comprova que aqui é tudo meio invertido, o grande show acaba, pra começar as mediocridades que nos empurram goela abaixo!
E desde então eu virava o controle remoto pra lá e pra cá, ia dormir no horário habitual, mas sem o beijo do gordo, e pensando: como são burros!
E lembro do Zé da Galera no orelhão, telefone público de moedas ou fichas, “falando” com Telê Santana, técnico da seleção brasileira de 1982: “Bota ponta, Telê…eu olho pro banco (de reservas) e o banco tem duas pontas, e nenhum ponta!” Se levou ponta foi um só, encantou o mundo, mas não ganhou…
Vou divagando e lembro do Jô entrevistando Pelé, e quando o rei esperava pergunta sobre a seleção de 1958, o humorista-apresentador, escritor tascou esta pergunta: você chegou na Suécia com 17 anos…o que sentiu ao ver as moças nadando nuas num lago a caminho do treino? Pelé se perdeu um pouco, e deu a única resposta que não podia dar: Olhei pro lado e pensei, não posso olhar, Deus vai me castigar!  E Jô emendou: até pra Deus você mentiu?  gargalhadas…
Inteligência, cultura, humor refinado, e muita generosidade.
E muito mais que só isso!
Aprendi muito com ele!
Exemplo?
Com Jô aprendi que humildade exagerada incomoda, ou falsa humildade pra efeito de vitimização!
Com Jô aprendi que pra ser (qualquer coisa) precisa saber ser…
E, principalmente, aprendi que a gente pode, e deve, ser o que quiser, só não precisa subir na Torre Eiffel pra anunciar… Basta ser!
Obrigada Jô Soares!
Volte sempre!
O mundo precisa de gênios!
E a cada um que perdemos, praticamos cada vez mais, a dança da solidão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *