Gérson: picuinha ou crime lesa futebol?

É pura picuinha de Tite com Gérson, excluído mais uma vez da Seleção principal que enfrentará Equador e Paraguai pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, porém chamado para  meros treinos da Seleção Olímpica.

É mais, porém: um crime lesa futebol pois Gérson não é apenas o maior meia-armador brasileiro em todo o mundo – é o único, de fato. O resto é composto por meias mais ofensivos, não necessariamente armadores, embora nossos bravos coleguinhas prefiram catalogá-lo como volante.

Volantes são essa legião de meio-campistas recuados, mais marcadores do que armadores, como Casemiro (disparado, o melhor de todos), Fred, Fabinho e Douglas Luís, os convocados da hora. Quatro volantes contra apenas dois meias (Everton e Paquetá), ambos jogadores da zona mais ofensiva, que, por sinal, sequer estão tinindo em seus clubes.

Ora, por quê essa desproporção? Simplesmente, porque Tite ainda vê o futebol de um prisma embaçado pelo passar do tempo.

E por quê trato tanto dessa questão do meio de campo? Simplesmente porque é ali que se concentra essencialmente a harmonia de uma equipe, o nível de velocidade e precisão no passe na transição da defesa ao ataque, tudo enfim que determina fluência e acerto na troca de passes etc.

Desviemos, então, o olhar pra outro setor da equipe: as laterais.

Do lado direito, um acerto na chamada de Daniel Alves, que voltou no São Paulo a essa posição onde reinou durante anos e que andava fora das últimas convocações de Tite. Do lado esquerdo, a insistência em dois jogadores que até hoje não aprovaram de vez – Lodi e Sandro -, em detrimento de Reinaldo e de Arana (este, convocado para a Olímpica). Esses dois têm jogado muito mais do que os preferidos de Tite (no caso de Reinaldo, há, pelo menos, três anos seguidos).

Avancemos, pois, o olhar: lá na frente, finalmente, Gabigol está na lista. Mas, estará em campo?

A pergunta é óbvia, dada a evidente preferência de Tite por Firmino ou Richarlison, dois bons atacantes, mas não excepcionais. Ambos longe de possuírem o poder de fogo de Gabigol, um artilheiro insaciável, além de infalível cobrador de pênaltis.

Por fim, o que fazer com o Flamengo, que será desfalcado por quase meio time nesse período?

Simples: adiar todos os seus jogos, o que obviamente não será acatado pela Conmebol.

Quer dizer, paga o Fla o preço de ter o melhor elenco do Brasil, ao servir de graça  o Brasil.

 

Um comentário

  1. Em minha modesta opinião são vários os jogadores que atuam aqui no Brasil que mereceriam ser convocados para a seleção. Sejam eles do Inter, do Grêmio, do Flu, do Atlético e outros. Embora tenhamos mais de 50 milhões de “técnicos” nesse amado país ( ou será mais?) só um pode dar as cartas, que é o Tite ( pelo menos por enquanto), então acho que os que foram convocados para essa eliminatória podem perfeitamente dar conta do recado, mesmo porque os adversários do Brasil não são lá essas coisas. Até a próxima Copa do Mundo muitas águas vão rolar e quem sabe o Gerson, que o prezado comentarista tanto admira, tenha sua convocação sacramentada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *