Corinthians à beira do abismo…

Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Impressionante a incompetência da atual diretoria do Corinthians. Tudo vira um drama mexicano e as dívidas só aumentam. O presidente Augusto Melo tem uma resposta para tudo, aliás quase sempre a mesma: a culpa é da gestão passada. Será mesmo? Tirando os 40 milhões a serem pagos para Martin Rojas, um absurdo, e dívidas à médio prazo a maioria das tragédias alvinegras fazem parte do show de Melo. A saída da Vai de Bet, por exemplo, ninguém da administração passada foi responsável pela provável comissão dada para um “laranja”, assunto agora investigado pela polícia.

E tem mais: as saídas de Cássio e Carlos Miguel; contratações sem pé e nem cabeça, casos de Cacá, Hugo, Palacios, Matheuzinho, Gustavo Henrique e outros, tudo isso no valor de 130 milhões de reais. Mau relacionamento entre direção e técnico Antônio Oliveira. Contratação mentirosa de Gabigol, que nem proposta recebeu segundo empresário do jogador. A demissão de vários diretores, dentre eles Rubens Gomes, até então seu braço-direito. Agora prometeu quatro contratações de renome na “janela” de julho, sem ter um tostão furado para gastar no mercado onde giram milhões.

Erros quase todos devido à péssima administração apresentada até o momento. Não é uma conspiração orquestrada por ninguém. Falhas técnicas de gestão saltam aos olhos. Do jeito que a coisa vai, vem por aí uma medida drástica. Demissão do próprio Augusto ou o tão temido impeachment. Falta “jogo de cintura” para lidar com a Oposição. As eleições já acabaram há seis meses. Falhas gritantes de administração e até de bom senso são vistos à toda hora. Pressionado pelas torcidas uniformizadas, Melo se vê obrigado a recebê-las e explicar tintim por tintim, o que faz e o que poderá fazer, não se sentindo humilhado por isso. Uma derrota para o Palmeiras no dérbi poderá ter consequências terríveis para a comunidade corintiana.

E tenho dito!