Depende de quem

 

Os dois vieram do mesmo lugar, Reino Unido. Um jogou e o outro não.  O órgão fiscalizador é o mesmo, a Anvisa. Mas a alegação é que souberam da irregularidade de um a tempo, no caso Willian, enquanto a do outro ficou fora do raio de ação naquele momento. Willian foi afastado por estar em quarentena. Andreas jogou.

Só para lembrar, Andreas Pereira atua pelo Flamengo, clube com maior repercussão no país. E mesmo assim a alegação foi de desconhecimento. Mesmo que fosse o caso, não se pode infringir a lei e dar como desculpa, que não sabiam as regras.  Nem a Anvisa saber do Willian do Corinthians e não do Andreas do Flamengo

A desculpa do diretor da Anvisa, que falou ao jornalista Mauro Cezar Pereira tentando explicar o inexplicável, só comprova que as leis no Brasil continuam sendo na forma “depende de quem”. Mexer com o forte e protagonista Flamengo seria incomodo. O Corinthians, grandão mas em baixa, fica melhor como palco dos fiscais, os mesmos que fizeram um circo contra argentinos, o que sempre é simpático para a maioria dos brasileiros.  A dedução é clara. O controle vai do jeito que dá. Então nós é que temos que nos cuidar individualmente, tomando o máximo de cuidado, já que a pandemia não acabou.