Vivendo de sonhos

A seleção brasileira na era Tite perde muito pouco. Não joga um futebol brilhante, até pela ausência de jogadores brilhantes. Eles são bons, mas nada de extraordinário, exceção feita a Neymar. Então há um bom grupo com chances de brigar por títulos, da Copa América ou Mundial, apenas que no nível do futebol brasileiro já de alguns anos.

Criou-se um mito de seleção espetacular, imbatível, melhor do mundo. Nada mais ultrapassado. Não há uma melhor do mundo. Existem seis ou sete equipes com um nível melhor, e o Brasil está entre elas, e uma dezena de intermediárias, que podem vencer as melhores com certa naturalidade, dependendo do dia. Mas é difícil entender-se isso no Brasil. E aí fortalecem as teses de “outrismo”. Se fosse outro treinador, outros jogadores, etc, seria diferente. Está bem. Sonhar é livre e permitido.