São Paulo deve, Diniz paga

 

 

 

 

O São Paulo têm dívidas enormes com seus jogadores. O vergonhoso rombo no orçamento do ano passado, gerou atrasos de salários, mas não diminuiu a tensão interna por títulos. Jogadores e o antigo treinadores foram cobrados o tempo todo pelos fracassos dos últimos dez anos. E o time naufragou novamente.

Enquanto os resultados vieram ficou mais fácil controlar a situação. Quando a equipe chegou no seu limite, já que jogou além dele por um bom tempo, e as reformas internas começaram, tudo começou a ruir. A emboscada armada antes do jogo contra o Coritiba com gente de dentro do clube dando a rota do ônibus para a tocaia dos marginais, mostrou que os descontentes com as mudanças não dariam tréguas.

As contas no clube são assustadoras. Alguns contratos assinados assombram pelos números e pela falta de zelo com o dinheiro do clube, Mas foram assinados e os credores, os jogadores, têm direito de receber. Depois da emboscada muitos começaram a pensar e agir, visando sair no final da competição. Enquanto isso o treinador ficava exposto como o “grande” responsável.

Tudo muito vergonhoso. O São Paulo está muito doente. E a doença é grave, é antiga. Por certo a cura não virá com uma simples troca de técnico. É importante a nova direção expos o que têm encontrado como herança do período Leco. O buraco é muito fundo. E nem começou a ser fechado com  a simples saída de Fernando Diniz.