Questão de igualdade

 

 

 

 

Não dá para ter público num estádio e sem torcida no outro. A reclamação de Andres Sanchez, presidente do Corinthians, sobre a eventual volta dos torcedores no futebol carioca procede, já que pode gerar desequilíbrio técnico, especialmente quando alguns clubes sempre esperam empurrões e gritarias nos seus jogos locais.

Eu entendo que grandes times não precisam tanto assim deste apoio externo. Mas até pela fragilidade dos jogadores, que atuam no Brasil, este fator costuma ter um peso maior, mais ainda quando a equipe da casa faz o primeiro gol e a pressão fica toda contra o adversário, que não poucas vezes se encolhe. É preciso igualdade, mais ainda onde as diferenças técnicas, entre os times, são mínimas.