O pequeno atrevido

 

Bergamo é uma pequena cidade no norte da Itália. Adora futebol, mas sempre teve seu time ofuscado pelos vizinhos grandões, Inter e Milan. Mas agora não. Como é bom ver o Atalanta jogar. No primeiro tempo do recente jogo contra a Juventus em Turim, teve 72% de posse de bola. E contra o técnico Sarri, que também gosta de ter o controle do jogo.

Gasperini, seu treinador, é oriundo da Juventus. Jogou muitos anos lá e também começou como treinador na base do time mais rico da Itália. Não se surpreendam se voltar. O jeito Atalanta é uma delícia, para quem ama algo mais do que o simples resultado no futebol. E para quem amar só o resultado, também está bom. Nunca esta equipe chegou tão longo nos torneios que disputou.

O futebol do Atalanta mostra que jogar de forma agradável vai além do orçamento que se tem. É preciso filosofia, convicção e estudo. Jogar por jogar não diverte. Fernando Diniz, outro que ama a filosofia ofensiva e o jogo bonito, lembra numa frase o que o faz pensa deste jeito. “Eu fui jogador de futebol e sei como é difícil chegar ao profissionalismo. Depois de tanto sacrifício tenho que dar ao atleta prazer no trabalho. E ficar só se defendendo, evitando derrotas, não dá prazer a ninguém. É preciso gostar da bola e desfrutá-la.”