Modismo

 

 

 

Jorge Jesus e Jorge Sampaoli são sucessos no futebol brasileiro. Eles apresentaram coisas rotineiras na Europa, mas que estão fazendo diferença no Brasil. Pronto, bastou isso para os estrangeiros virarem moda. O Inter quer um técnico argentino para o lugar de Odair Helmann, o São Paulo da mesma forma, sonhava com alguém de fora antes dos jogadores apresentarem a bela solução Fernando Diniz, o mais estrangeiro dos técnicos brasileiros.

Se tudo seguir como está teremos uma enxurrada de treinadores de fora no ano que vem. Não há qualquer convicção nos cartolas brasileiros. Tudo funciona na base do modismo. Quando Carille deu certo como técnico auxiliar efetivado, muita gente seguiu a receita, que funcionou de verdade, somente no Corinthians.

No ano passado quando o Palmeiras trouxe Felipão de volta, o Atlético Mineiro chamou Levir Culpie, Abel Braga foi cobiçado a peso de ouro e os “veteranos” tomaram conta do mercado brasileiro por um tempo. Não há sistemas, ideias de jogo, projetos de futebol. Há cópias do que deu certo.

A gestão segue sendo a pior coisa no Brasil. Não há criatividade, não se respeitam individualidades e nem se procuram soluções que sirvam para cada caso. Um fez os outros seguem. Então caso você queira espaço nos times brasileiros, trate de arranhar, pelo menos, um pouco de espanhol. Nem precisa entender muito de bola. O importante é você estar na “moda”, para o ano que vem.