Burrice crônica

Foto: Fernando Dantas/ Gazeta Press

Nada mudou. Oito times da Série A do Campeonato Brasileiro demitiram seus treinadores, mesmo com a temporada do futebol nem ter começado efetivamente. É uma burrice. Ontem mesmo 3 times como jogos marcados para as próximas horas, tiraram seus comandantes do futebol. E não pelos resultados, já que foram normais.

Lisca Doido foi vice no Ceará. Algo absurdo? O Vasco ficou segundo, com um time endividado e infinitamente inferior ao campeão Flamengo em todos os sentidos, atualmente. E outro que caiu foi Mauricio Barbieri, que perdeu com o Goiás, num clássico historicamente equilibrado contra o Atlético Goianiense. O Vasco jogará já na quarta feira contra o Santos. Ceará e Goiás começam suas disputas para, prioritariamente escaparem de rebaixamento, no próximo final de semana.

E todos eles vão recomeçar trabalhos do zero. Isso já aconteceu, antes em 2019, com outras cinco equipes da Divisão principal e só estamos em abril. O Atlético Mineiro ainda não tem novo técnico, o Botafogo ficou sem o ótimo Zé Ricardo. O São Paulo teve 3 treinadores e Cuca está começando só agora. O mesmo vale para o Bahia, que tirou Enderson Moreira e trouxe o bom Roger Machado, mas também só passando suas ideias aos jogadores. Por último a Chapecoense entregou o time a Ney Franco a poucos dias e espera, da mesma forma, apenas sobreviver na Série A.

Os estaduais tiveram níveis baixíssimos. Deveriam ser usados como pré-temporada. Mas os cartolas derrubam os chefes das Comissões Técnicas, pelos resultados desses torneios de começo de ano. Fazem o mais simples, mesmo sendo absolutamente errado. Há um sistema de gestão arcaico, que dá força a “conselheiros”, empresários, torcidas uniformizadas e outros párias do futebol. Enquanto ficarmos assim, a tendência é piorar mais. Mesmo parecendo quase impossível ficar ainda mais feio.