Feio não é bonito

Foto: AFP

Pode ter certeza que jogar bonito compensa. Quem esteve no Pacaembu, após a eliminação do Santos do paulistinha, percebeu, que a última coisa que se via na torcida, era frustração. Os aplausos foram sinceros. Não é a primeira vez que isso ocorre.

A seleção de Telê Santana de 1982 ficou eternizada. A Laranja Mecânica de 1974, da mesma forma, é vista como mitológica, pelo que fez, mesmo perdendo. Aqui no nosso cenário interno tivemos os Menudos do Cilinho, time do São Paulo nos anos 80 que emocionou a todos, sendo eliminado por erro do goleiro, mas ovacionado com imenso carinho por todos que lotavam o estádio.

Infelizmente, nos últimos anos, fizemos a opção pela feiura. Houve inversão daquilo que o jogo propõe. O futebol foi criado para fazer gols, ou seja, atacar. No Brasil a maioria resolveu evitar gols. Somos defensivos e chatos. As partidas arrastadas e as chances de gols pouquíssimas.

Domingo começam as finais do paulistinha. O Santos não está. Imagino que veremos pouca coragem em campo. Ficarei surpreso se tivermos mais de dez chutes a gol nas duas finais. Espero me enganar, mas a minha base vem do que tenho visto. Enfim, a rivalidade contará. Os estádios estarão lotados e a repercussão será grande, pelo tamanho das camisas. Só tenho sérias dúvidas se veremos bom futebol. É improvável.