Mudança de sistema

Foto: Ian Kington/AFP

Começa no final de semana o maravilhoso Campeonato Inglês. E com ele a expectativa do novo Chelsea. Novo por que? Porque mudou o sistema de jogo, a identidade do clube, o jeito de vender seu futebol. Desde que Mourinho arrebentou todos os recordes entre 2004 e 2007, o clube ganhou um estilo. Depois deles vieram vários, mas o jeito Chelsea não mudou. Guus Hiddink, Carlo Ancelotti, o fraco mas campeão, Di Matteo e o recente Antonio Conte, faziam mais do mesmo, apenas com seus toques pessoais.

Agora as coisas serão diferentes. Maurizio Sarri pensa o jogo de forma bem diferente. Que o diga o Napoli dos últimos 3 anos, que lembrou em badalação os tempos de Maradona. Sarri é adepto do toque de bola, da marcação ofensiva e das trocas de passes rápidas em direção ao gol. Chega de “ônibus” na frente da zaga e contra ataques. Mudou radicalmente.

A influência da beleza de jogo, estilo Guardiola, chega agora em outro clube da Inglaterra. Isso é muito bom. A seleção, mais “guardiolesca” mostrou isso na Copa. O mais curioso é termos esse tipo de conversa. No Brasil essa troca jamais seria notada. Simplesmente porque não há clubes com esquemas, sistemas ou estilos definidos. Nem a seleção o tem. Tudo depende do treinador de plantão. Ele chega e faz do jeito dele. Sai meses depois e o outro segue outra linha, com outra cabeça e novos ideais. Assim vamos andando em círculos e fazendo festa porque a Premier League volta ser jogada a partir do próximo sábado.