Tite cumpriu a missão

Foto: Joe Klamar/AFP

Último amistoso. O Brasil chega entre os favoritos para a conquista de mais uma Copa. Mérito de Tite. Há dois anos havia dúvida se o Brasil iria a Copa. Foram dois anos perdidos pela incompetência da CBF, aqueles pós 2014. Nada se aproveitou, Tite começou do zero com suas idéias e carisma. Conquistou os jogadores, mostrou conhecimento e modernidade nos treinamentos e montou a equipe competitiva, que agora estará na Rússia.

Ganhar o torneio é outra coisa. Pelo menos três outras seleções têm as mesmas chances do Brasil. A Espanha com seu sistema bem definido, desde os tempos de Vicente Del Bosque, com base no Barcelona. Lopetegui é mais do mesmo, de grande qualidade. Joaquim Löw tem reclamado da sua Alemanha. Está jogando mal há alguns meses. Mas eles sabem o que fazer. As idéias táticas estão postas.

A Bélgica tem pouca tradição, porém é um timaço. Grandes jogadores, que atuam nas melhores ligas e uma base mantida desde o último Mundial, num sistema de jogo praticado já na base há 18 anos. Pode chegar. O treinador atual, Roberto Martinez, é melhor que Wilmots de 2014. Parece confiante a ponto de não convocar o problemático Nainggolan. Também pode chegar.

Há a França de craques com um treinador contestado. E a Argentina, que também perdeu tempo com um treinador fraco como Edgardo Bauza, mas com o maior craque do mundo, Lionel Messi, provavelmente, em sua última Copa. Portugal é outra uma “zebra” a ser observada. Afinal é organizada e tem Cristiano Ronaldo.

Ou seja, há gente muito boa para brigar pelo título. Não serão 31 seleções vendo o Brasil jogar. O sonho é de todos. Só temos que enaltecer o que já foi feito. Tite mudou o caminho. A equipe desacreditada voltou a ser reconhecida. A partir do próximo domingo conheceremos a fase final dessa história.