Brasil x Equador

(Foto: Robyn Beck/AFP)
(Foto: Robyn Beck/AFP)

O Brasil fez até um bom primeiro tempo contra o Equador. Posse de bola, saída boa com Casemiro e Renato Augusto, quase sempre o objetivo final era William na direita, mas pouca finalização e intensidade na parte final do campo. O Equador se fecha bem e tem força no contra-ataque.

No segundo tempo, o Equador avançou a marcação em alguns momentos e dificultou o jogo brasileiro. A transição ficou mais difícil. O Brasil não soube acelerar mais o passe quando pressionado pelo adversário.

Não foi uma atuação ruim, avaliamos a seleção como um time em formação e de fato ainda é, mas não deveria ser. O Brasil muda muito mais o time do que outras seleções. Quando os resultados não aparecem, as mudanças são constantes, quase sempre foi assim o Brasil. O jogo coletivo deve melhorar, mas parece sempre começar do zero.

Os desfalques de Neymar e Douglas Costa pesam bastante, poderiam dar a agressividade que faltou no último terço do campo, coisas positivas apareceram, mas ainda precisa melhorar, o Brasil incomoda pouco o goleiro adversário.