Sobre a saída de Cristóvão Borges

Foto: Gazeta Press
Foto: Gazeta Press

Vejo agora que Cristóvão Borges foi demitido, não é mais treinador do Corinthians. Isso, depois da derrota para o Palmeiras, líder do Campeonato Brasileiro, na tarde deste sábado. Haverá quem diga: “Isso é assim mesmo, é o futebol brasileiro e coisa e tal, a torcida pressionava, o clube não tinha muito o que fazer…”

Tudo isso pode ser verdade. Mas não deixa de ser triste. Afinal, o Cristóvão demonstrou não ser um bom treinador? Ou não ser um bom treinador para um clube da importância do Corinthians? Alguém pode responder? Não vi nenhum comentarista de TV falar disso. Mas vi, ouvi e li desde algum tempo até hoje muita gente afirmar que a queda do técnico era “iminente”.

Definitivamente, Cristóvão não conta com a boa vontade de muitos colegas da Imprensa esportiva. Gostaria que eles, primeiro, admitissem que não gostam do trabalho deste profissional, e depois que explicassem o motivo. Tenho para mim, há tempos, que repórteres e comentaristas acabam por ajudar, involuntariamente em certos casos, a derrubada de treinadores.

Realmente, não gosto disso. Não me parece ser este o papel da imprensa. Atualmente, é bem verdade, muitos dos jornalistas que acompanham o futebol são bem preparados, conseguem entender tecnicamente um jogo e isso os habilitam a também fazer perguntas mais sérias, interessantes, sem a mesmice que era padrão das entrevistas pós-jogo em muitos casos.

Não espero que ocorra, mas gostaria que a demissão de Cristóvão provocasse uma discussão séria entre os profissionais da mídia esportiva. Quem sabe até mesmo um debate sobre se é ético esse tipo de cobertura. De preferência, antes da demissão de Marcelo Oliveira, a quem alguns afirmam não ter “condições de trabalhar com um elenco tão bom” como o do Atlético Mineiro.

Bem, quem não acompanha o Brasileirão deve achar que Corinthians e Atlético estão perto da zona de rebaixamento. No entanto, o time mineiro está em terceiro lugar e o Corinthians é o quinto, a um ponto do quarto colocado. Ou seja, ambos estão lá em cima, entre os primeiros. Vá entender o ambiente do futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *