Vinícius Júnior e um dos “pecados capitais” do Futebol

Foto: Gilvan de Souza/CRF

Forca (com “C”) ao Vinícius Júnior! Cadeira elétrica pra ele! Injeção letal, já! Prisão perpétua, ao menos! Que vá para o inferno, moleque inconsequente!

Como o atacante do Flamengo ousou comemorar seu golaço no clássico decisivo contra o Botafogo fazendo aquele gesto condenável do chororô? Um absurdo! Poderia ter desencadeado uma guerra. Esse irresponsável deveria ser banido da face da Terra. Rasgou o manual da ética que anda imperando por essas bandas.

Em retaliação, o clube da estrela solitária, magoadinho, não alugará seu estádio, o Nilton Santos, para a final da Taça Guanabara entre o rival da Gávea e o nanico Boa Vista. O Maracanã está descartado, será palco de shows musicais, e a Federação de Futebol do Rio de Janeiro entrou nesta dividida. Apelou, em nota, para a sensibilidade do time de General Severiano. Pediu, quase implorou, para que o Bota não se apequene diante da atitude irreverente de um jovem atleta, e repense o caso.

No presente, a “vítima” é o Fogão. No passado foi o Mengo? No futuro será Corinthians, Palmeiras ou Tricolor? Tanto faz. Tudo farinha do mesmo saco. São produtos da mesma hipocrisia, da mesma intolerância.

Quanto MIMIMI minha gente brasileira!!! Quanta caretice, babaquice, idiotice. Bando de chatos!!! Será que vocês nunca jogaram bola? Será que vocês nunca explodiram de emoção numa arquibancada? Será que vocês estão falando do mesmo jogo que eu?

Querem transformar o maravilhoso e espontâneo Futebol num evento de cartas marcadas, ensaiado e ainda mais politicamente correto do que está? Não basta a copiada, protocolar e brega entrada em campo das equipes, um dos “padrões” atuais que eu jogaria na lata do lixo. Pior são as críticas aos que não driblam em direção ao gol, como se isso fosse um outro “pecado capital” dos tempos modernos da bola; ou aos que celebram o tento tirando sarro, a camisa, desabafando, imitando ou sei lá o quê.

Alguém se lembra do Serginho pagando aposta pro Luis Pereira depois de perder um Choque-Rei, pelo São Paulo, contra o Palmeiras, em 1982? Em pleno gramado do Morumbi, com torcida e imprensa presentes, logo após ao apito final, Chulapa pegou a camisa verde do zagueirão, vestiu o manto alheio e deu uma volta olímpica!!! Hoje, os dois, imagino, seriam fuzilados.

Onde erramos? Quando perdemos a alegria, a inocência, a essência? Por causa do profissionalismo é que não foi. É só olhar para o nosso pobre Futebol Brasileiro. Pobre de grana, espírito, técnica, análise, graça – pobre no geral. Somos ricos sim, em canalhice, corrupção, violência, polêmicas baratas e demagogia.

Ainda veremos o autor de um gol, em vez de comemorá-lo livremente, como fazemos nos campinhos da vida, pedir desculpas à torcida adversária, para não ser punido com um cartão amarelo, quiçá vermelho, ou para não ser massacrado pelo sistema e pela opinião pública.

Não é só saudosismo de minha parte. É revolta e tristeza. Então, uma banana aos bananas!!!

16 comentários

  1. Menos, Alexandre. Não seja também hipócrita. Você sabe muito bem a devoção que o torcedor tem pelo seu time aqui no Brasil. O time´é quase o familiar querido de muitos torcedores. É tão amado quanto o próprio pai ou mãe de cada um que torce com paixão. Se eu xingasse sua mãe de feia, de mocreia e chorona, você ia levar na esportiva? Duvido, meu caro. Duvido até que você publique esse comentário. Simplesmente porque você, ainda que publique, é humano. Tem seu amor próprio e suas paixões. Assim é o amor de muitos por seus times. Visceral. Não sou torcedor do Botafogo, mas acredito que já foi o tempo desse tipo de provocação gratuita. E não, esse não é o grande problema do futebol brasileiro. Empresários e cartolas fazem muito mais mal ao futebol que exigir respeito à equipe adversária na comemoração.

  2. O politicamente correto não é nossa cultura sempre que adotamos as besteirol dos gringos entramos de gaiato por completo. Os gringos acabaram com a palavra negro, inventaram o nigger que é altamente ofensivo, não contente o governo resolveu adotar o Black preto, depois inventaram o afro-descendente. Os negros brasileiros acham lindo o afro-descendente, como pode ser afro-descendente quem está aqui a quinhentos anos. Porque não ítalo brasileiro, luso brasileiros, sírio brasileiro só os negros. O politicamente correto é outra coisa usada de forma idiota neste país com uma cultura riquíssima e um humor refinado, é um desserviço a nossa própria cultura. No futebol sempre houve brincadeiras, malandragens mil, essa era a excelência do futebol, hoje bater de trivela é proibido pelos profe da base é considerado viadagem, a chaleira em homenagem ao Charles Miller hoje é letra que marda de letra é essa? Nós enterramos a nossa história e adotamos as merdas dos gringos, vc está coberto de razão o futebol está cada dia mais chato. Da nojo de ver o que fizeram do nosso futebol que era a mistura da capoeira, do gingado do samba (hoje em dia ninguém sabe dançar samba) da malandragem pura, hoje em dia é tudo viadagem, politicamente incorreto, nós nunca mais seremos os mesmos. É como diz o português: Para um mal fudedoire até os culhões atrapalham!

  3. Pois é… E de quem é a culpa de tudo isso? Da Imprensa é claro! Essa palhaçada toda começou quando qualquer reporter de campo deu voz a algum pereba que se sentiu humilhado por algum bom jogador, que nada mais fez que partir para cima do pereba com a bola dominada apkicando dribles, canetas, lençol e chapéu. Com 100% de certeza a declaração após o jogo foi assim: “Ele me humilhou, não precisava disso. Eu sou um pai de família, tenho parentes e amigos, eu mereço respeito” E na cabine das rádios e programas de TV os “especialistas” deram voz ao pereba e concordaram que “houve um certo exagero”, “não precisava ter feito isso”, “é um colega de profissão”, “não pode fazer graça, tem que jogar sério”. A massa em casa ouvia e assistia tudo isso diariamente, desde o final dos anos 80, ouvindo os tais “especialistas” darem suas “opiniões abalizadas” e com passar dos anos virou lei dentro do estádio. Ainda me lembro quando Robinho acabou com o Rogério na final do Campeonato Brasileiro 2002, vários “especialistas” disseram que houve um certo exagero, que ele Robinho poderia ter partido com a bola dominada, sem a necessidade de humilhar o Rogério… Praticamente tudo que se fala na TV vira lei, e chega até o povão, por isso vivemos atualmente em uma sociedade onde praticamente tudo é considerado ofensivo e falta de respeito, o que soa até como piada, porque o brasileiro não respeita absolutamente nada!

  4. Uma forca (com C)para você, senhor jornalista, que ainda pensa como no tempo dos dinossauros!O Vinícius Júnior, é abusado sim,e torço para que ele faça muito gols, inclusive em cima dos medíocres times paulistas, para alegria da Nação Rubro Negra!

    1. Medíocres times Paulistas?? Sete mundiais e os “fantásticos cariocas ” apenas um. Oito libertadores e os
      “espetáculares cariocas” só duas. Bobão.

  5. Medíocres times Paulistas?? Sete mundiais e os “fantásticos cariocas ” apenas um. Oito libertadores e os
    “espetáculares cariocas” só duas. Bobão.

  6. Alexandre, menos. Menos Alexandre. Pelé,Garrincha,Rivelino,Zico,Zidane, Messi,Cristiano Ronaldo, Ronaldo Fenômeno ,sempre fizeram muitos gols e contaram e contam com respeito e admiração por que sem que tornassem o futebol chato , sempre comemoraram e comemoram seus.gols brindando á sua respectiva torcida e com respeito à torcida rival..Nunca foi e nunca será preciso comemorar.um gol, desdenhando do rival.O decente é festejar com. sua.torcida.Fazer aposta com consentimento de ambos é outra história. Qualquer.dia desses um gesto impessado de um jogador de futebol.na hora.de umgol.vai acabar em mais violência.Aí sim o futebol vai ficar chato.Aliás não visto a camisa do meu.clube por que tenho medo.Menos Alexanddre.As coisas não são tão simples assim

  7. Um ditado popular dizia que “Pior cego é o que não quer ver” claro que nos dias caretas de hoje dever-se-ia dizer “Menos melhor deficiente visual é aquele que não quer visualizar(bleeargh!!” A ignorância foi uma das heranças deixadas pelo golpe de 1964 e com ela vieram opiniões como a desse (ou dessa?) Oliveira que segundo o dito popular é o pior leitor por não querer(ou poder?) interpretar o texto do Alexandre Silvestre.. E o Alexandre Silvestre que me parece boníssima gente, bem humorado autor de excelentes reportagens e entrevistas, acaba sendo vítima dessa cretinice institucionalizada . fora o seu texto um tratado de Antroposofia, ou de astrociência, seria compreensível a reação do/a Oliveira, mas uma simples manifestação de humor irônico não ser comprrendida , é de causar compaixão. Portanto Alexandre Silvestre não se atreva mais a oferecer textos tão complexos que nem Einstein juntamente com Göethe, Tesla, I.F.Stone, dentre outros, poderiam compreender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *