Um dia diferente no Palmeiras

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras

Coletiva atípica nesta sexta. Alberto Valentim subiu primeiro. Entrou decidido, e a porta por onde passou, no alto da escada que leva ao segundo andar da casinha que abriga a imprensa entre os três campos do centro de treinamento do Palmeiras, continuou aberta.

A seguir, passaram por ela quase todos os jogadores. Meia dúzia deu boa tarde. Maioria em silêncio. Expressões sérias. Notei, de pé, o boa praça Jaílson revelando um sorrisinho maroto, colegial, não correspondido por Felipe Melo.

Linha de frente à mesa: o técnico interino sentado ao centro. À esquerda de Valentim, Prass e Dracena, a ala mais falante. À direita, Moisés e Dudu. Elogiaram a torcida e pediram apoio. Reconheceram erros. Deram uma satisfação. Família, nos bons e maus momentos.

Percebi a ausência de um dos filhos, Egídio, multado pela diretoria por ter batido boca com torcedor no aeroporto, na volta com derrota de Salvador. Tema da minha pergunta. Oficialmente, o lateral foi resolver assuntos particulares em Minas.

O evento que durou dez minutos, às vésperas do encontro com o Flamengo no Allianz Parque, virou manchete no noticiário alviverde. Simbolismo para acalmar os ânimos após duas derrotas – uma para o maior rival.

Depois do evento, conversei em particular, à beira do gramado, com o Valentim. Disse a ele que a iniciativa não poderia ser apenas uma cena midiática. Era preciso sinceridade no ato. Ele concordou e garantiu a credibilidade do que ocorreu num dia diferente no Palmeiras.

Domingo tem jogo. Lá estarei.

Um comentário

  1. É triste ver o Palmeiras em uma situação tão patética suplicando apoio para a torcida que sempre lotou os estádios. O elenco atual recebeu todo o apoio da torcida alviverde e não deu nada em troca deste apoio. Este time não deu liga. Uma vez sendo concebido de forma errada o nascimento de campeão foi um aborto. E que está sofrendo de uma sangria desenfreada. Continuo a torcer pelo Palmeiras e, sempre que posso, vou ao estádio. Neste time atual não deposito nenhuma confiança, vamos torcer para que no próximo ano tenhamos melhor desempenho no Paulista e depois na Copa do Brasil. Libertadores e Brasileiro não devem ser considerados em 2018 pois não teremos time para tais campeonatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *